Visite Paranaense Humor e Noticias

BI CAMPEÃO

BI CAMPEÃO
COPA PMPR
script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js">

Colaborador

Colaborador
Vereador - Elias Rodovanski

STUDIO SOUL - ÁUDIO E VIDEO

STUDIO SOUL - ÁUDIO E VIDEO
FONE: 3036-1881 OU 9967-7134

Publicidade

MARINA BOESE SUSHI DELIVERY

MARINA BOESE SUSHI DELIVERY
30354986

terça-feira, 14 de março de 2017



A cidade paranaense de Entre Rios do Oeste tem uma população de apenas 4 mil habitantes e sua economia é baseada na suinocultura e bovinocultura. Até aí, nada de muito diferente em relação a outros pequenos municípios espalhados pelo Brasil. A novidade é que, em breve, a cidade irá “zerar” sua conta de energia elétrica por meio de um projeto para geração de energia a partir de resíduos animais. 


A iniciativa é uma parceria entre a prefeitura, o CIBiogás (Centro Internacional de Energias Renováveis) e a Copel (Companhia Paranaense de Energia). Daqui pra frente, todos os dejetos produzidos na zona rural serão transformado em energia elétrica, que será utilizada para a iluminação municipal e o abastecimento de prédios públicos – como escolas e hospitais -, além das propriedades rurais que fazem parte do projeto. 

Com investimento de R$ 17 milhões em recursos de Pesquisa e Desenvolvimento (aprovados pela Agência Nacional de Energia Elétrica), o projeto irá ligar 19 propriedades da região por meio de uma tubulação de 22 quilômetros, que transportará o biogás. Além de garantir o tratamento dos dejetos animais, a ação tem um outro resultado: a produção de um adubo sustentável, também conhecido como biofertilizante.

“Esperamos que esse projeto seja um grande benchmarking para a região oeste do Paraná e exemplo para o Brasil, mostrando como a atividade agropecuária brasileira pode resolver um passivo ambiental e, com isso, gerar um valor agregado nas aplicações energéticas do biogás”, explicou o diretor-presidente do CIBiogás, Rodrigo Régis.

O biogás produzido na rede de biodigestores será filtrado em uma refinaria para se transformar em biometano e este será canalizado para uma MCT (Minicentral Termelétrica) com capacidade total de 480 kw. A interligação das propriedades em torno da MCT é essencial para garantir a viabilidade econômica do projeto.

Fonte: The Greenest Post


Notícias de Guarapuava e Região. Contato: Email: guarapuavanonoticias@gmail.com guarapuavanonoticias@gmail.com